SC – Produção de máscaras para Corpo de Bombeiros mantêm empregos em sete indústrias

Future Print

Future Print

Proposta de destinar 100% do lucro da venda de máscara reutilizável ao Corpo de Bombeiros Voluntários manteve empregos no ramo têxtil em Santa Catarina

Em Joinville (SC), proprietário da Beetêxtil – fábrica de roupas para esportes de alta performance – percebeu que fabricar máscaras reutilizáveis era a alternativa mais óbvia diante da falta das descartáveis no mercado. Para se diferenciar do mercado firmou parceria com a Heroyz, que destina seu lucro à manutenção das operações do Corpo de Bombeiros Voluntários, que não parou durante a pandemia. Em 15 dias de quarentena, foram confeccionadas 30.000 unidades e o faturamento foi o dobro de um mês inteiro antes da pandemia da COVID-19

Segundo o CEO voluntário da Heroyz e especialista em negócios com propósito, Eduardo Borba, quando o mercado deu sinais da falta de EPI (Equipamentos de Proteção Individual) e diante da necessidade de alternativas para gerar receita e manter a operação dos voluntários da Corporação, veio a ideia das máscaras. “Precisávamos de um parceiro que abraçasse a causa. Além disso, mostrar capacidade de envolver a todos, fazendo com que acreditem na ideia e garantam a entrega do que é esperado. Assim todos saem ganhando”, afirma.

As máscaras foram batizadas de HeroMask (a “Máscara dos Heróis).

Empresas e indústrias começaram a procurar a Beetêxtil e a Heroyz querendo distribuir máscaras entre seus colaboradores e clientes por verem no produto uma alternativa mais em conta e segura no mercado, além de perceberem o impacto social gerado.  E com problemas logísticos de entrega de kits em Joinville visto que as costureiras da Beetêxtil passaram a trabalhar de suas casas como forma de manter o isolamento social, foi realizada uma parceria com um aplicativo de motoboys para diminuir o custo do frete na região e garantir entrega rápida à comunidade local.

As encomendas chegaram em um ponto que Jonas se viu obrigado a realizar parcerias com outras empresas do ramo têxtil. “É um momento de união inclusive com concorrentes. Realizei uma parceria com uma fábrica de Blumenau para conseguir honrar a entrega das encomendas que entraram em linha dentro do prazo. Também enxergo esse modo de trabalho como forma de preservar empregos no nosso setor”, relata.

Com o crescimento da demanda, além da Beetêxtil, outras seis empresas do mesmo ramo acabaram de envolvendo no projeto: Ravache Confecção, Aquamires Beach Wear, Zeni Falcão, Amora Confecções e Marlise Confecções, além da Risque e Corte, para o corte das peças.

FONTE: https://digital.feirafutureprint.com.br/cases/sc-produo-de-mscaras-para-corpo-de-bombeiros-mantm-empregos-em-sete-indstrias

ARTIGOS - GRANDES FORMATOS
Grandes Formatos

Liderando em tempos de crise

Tenho conversado com muitas pessoas e lido bastante sobre o momento que estamos passando. Um momento sem precedentes. Tentei buscar informações sobre outros eventos como esse no passado e não achei nada nem parecido. Isolamento social em nossas casas, empresas e comércio fechados e uma incerteza gigante sobre nosso futuro. Alguns líderes com quem falei

LEIA MAIS »
NOTICIAS-FUTUREPRINT
Future Print

SC – Produção de máscaras para Corpo de Bombeiros mantêm empregos em sete indústrias

Proposta de destinar 100% do lucro da venda de máscara reutilizável ao Corpo de Bombeiros Voluntários manteve empregos no ramo têxtil em Santa Catarina Em Joinville (SC), proprietário da Beetêxtil – fábrica de roupas para esportes de alta performance – percebeu que fabricar máscaras reutilizáveis era a alternativa mais óbvia diante da falta das descartáveis

LEIA MAIS »
WILSON GIGLIO
WILSON GIGLIO

Sugestão: Não espere estar morrendo para pedir ajuda!

Quando iniciei as consultorias para as empresas de comunicação visual, em 2010, embora já exerça a atividade desde 1990, a maioria das empresas que me contratavam estavam com uma situação financeira razoável, o maior problema era a falta de organização, processos, problemas de retrabalho, alta rotatividade de pessoal, não sabiam se estavam tendo lucro nos

LEIA MAIS »
ARTIGOS-WILSON GIGLIO
WILSON GIGLIO

Papai Noel existe? Não, mas é tão bom acreditar que sim, certo?

Quem é que não gosta de ganhar presentes? Principalmente quando a situação parece tão desanimadora, tão conturbada e tão confusa. Uma boa parte das micros e pequenas empresas, as que mais estão sofrendo nestes tempos sombrios, é que são as que mais precisam de ajuda, de alternativas para, pelo menos, organizarem melhor suas empresas e

LEIA MAIS »
Rolar para cima

COMUNICAÇÃO VISUAL NO BRASIL

COMO MEHORAR OS RESULTADOS DA SUA EMPRESA 3ª EDIÇÃO