Duas informações importantes para seu projeto de ACM

Alexandre Araújo

Alexandre Araújo

O ACM é composto por duas chapas de alumínio e um núcleo de polietileno de baixa densidade (PEBD). Na fabricação do ACM ocorre a junção das chapas de alumínio – pintadas em bobinas – ao perfil de polietileno.

Eles são unidos através de um processo de tensão controlada, que funde os materiais alumínio+polietileno+alumínio, dando origem ao painel de ACM. A sua dimensão no Brasil é estabelecida por três fatores: (1) espessura: 3, 4 ou 6 mm; (2) largura: 1220, 1250 ou 1500 mm; (3) comprimento: 5000 mm.

A espessura do painel de ACM é determinada principalmente pelo polietileno, pois as espessuras das duas chapas de alumínio possuem pequena variação – sendo 0,21 / 0,30 / 0,50 mm – que completam a rigidez do painel. Já a largura é estabelecida pelo equipamento de fabricação das chapas em bobinas e varia de distribuidor para distribuidor. O comprimento é determinado em função do container – meio de transporte utilizado na importação.

Projetos de ACM bem dimensionados e espessuras corretas proporcionam melhor economia para o cliente e maior segurança à população. Por isso, preparei duas informações importantes para que seu próximo projeto de ACM seja econômico e seguro.

1. Modulações econômicas

A correta especificação de um projeto harmoniza três fatores essenciais: estética, técnica e economia. Por exemplo, um projeto com modulações que proporcionam o mínimo de desperdício do material apresenta uma economia significante para o cliente.

Em grandes projetos é possível usar larguras e comprimentos especiais para melhor aproveitamento do material. Geralmente, esse tipo de produto está disponível em quantidades mínimas de fabricação – normalmente pedidos acima de 450 m² – e o tempo de importação gira em torno de 90/120 dias, portanto deve ser consultado com antecedência junto ao fornecedor.

2. Espessuras apropriadas

O ACM está disponível no mercado brasileiro com espessuras de 3, 4 e 6 mm. É importante entender em qual tipo de projeto pode utilizar cada uma delas:

Espessura de 3 mm

É indicada para revestimento de fachadas de lojas (quando essa não exige peças de longo comprimento ou não estão em áreas sujeitas a ventos fortes), interiores, móveis ou elementos de comunicação visual.

Espessura de 4 mm

É indicada para revestimento de fachadas de edifícios comerciais – shopping center, edifícios empresariais e hospitais, devido à pressão dos ventos.

Espessura de 6 mm

É mais rígido e pouco usado no Brasil. É indicado para aplicações mais complexas, quando a fachada exige peças de longo comprimento ou estão em áreas sujeitas a ventos mais intensos.

Em vista das informações apresentadas, entende-se que a economia está relacionada ao melhor aproveitamento da largura e comprimento dos painéis. Isso nos fez entender que adequando o projeto com as medidas de painéis disponíveis no mercado ou fazendo encomendas de medidas especiais da fábrica proporcionará menos custos. E que a segurança é pertinente a espessura dos painéis e importante para a segurança de todos.

Portanto, nos próximos projetos de ACM que você orçar oriente seu cliente com o que aprendeu. Tenho certeza que esse novo conhecimento será seu diferencial na hora de fechar o serviço.

Essas e outras informações importantes você encontra no meu livro Revestimento em ACM: Uso na Arquitetura e Comunicação Visual – Guia Prático e Didático.

FONTE: https://www.canaldoserralheiro.com.br/blog/duas-informacoes-importantes-para-seu-projeto-de-acm/

ARTIGOS - ALEXANDRE ARAÚJO
Alexandre Araújo

As três evoluções da fachada-cortina no Brasil

Poucos sabem sobre a evolução da fachada-cortina no Brasil nas últimas décadas. A primeira construção mundial de uma fachada-cortina (curtain-wall) e também a primeira vez na qual se utilizou, em grande escala, o brise-soleil (quebra sol) foi aqui no Brasil, em 1936 — no edifício que hoje abriga o Ministério da Educação e Cultura (MEC),

LEIA MAIS »
ARTIGOS - FESPA BRASIL
Fespa Brasil

Mimaki apoia projeto de impressão 3D no combate ao COVID-19

A Mimaki Brasil, em parceria com a empresa 3D Time, produz máscaras faciais (conhecidas como “face shields”) para serem doadas aos médicos e enfermeiros que trabalham na linha de frente no combate ao novo coronavírus, COVID-19. No atual contexto da pandemia, as impressoras 3D estão sendo largamente utilizadas na confecção de alguns dos EPIs (equipamentos

LEIA MAIS »
WILSON GIGLIO
WILSON GIGLIO

Sugestão: Não espere estar morrendo para pedir ajuda!

Quando iniciei as consultorias para as empresas de comunicação visual, em 2010, embora já exerça a atividade desde 1990, a maioria das empresas que me contratavam estavam com uma situação financeira razoável, o maior problema era a falta de organização, processos, problemas de retrabalho, alta rotatividade de pessoal, não sabiam se estavam tendo lucro nos

LEIA MAIS »
Rolar para cima

COMUNICAÇÃO VISUAL NO BRASIL

COMO MEHORAR OS RESULTADOS DA SUA EMPRESA 3ª EDIÇÃO