Afiando o machado, na comunicação visual!

WILSON GIGLIO

WILSON GIGLIO

Escutei esta estória quando tinha apenas 14 anos (50 anos atrás), quando iniciei minha carreira na área de gestão no Banco Itaú América S/A, em 1969.Quem me passou ela foi meu saudoso chefe Themistocle Vicente Menghi, na época com 74 anos, que Deus o tenha, nunca esqueci do mesmo, de tudo o que me ensinou e que aplico até hoje em minha vida.

Disse-me: Wilson, não tenha pressa em fazer as coisas, aprenda e utilize as ferramentas que tem em mãos com sabedoria (na época uma linda máquina de escrever e uma calculadora manual)e planeje tudo, antes de iniciar e depois também.

Contou-me:

Diz a lenda,que em uma vila no Canadá, havia um velho lenhador, muito talentoso e que cortava muitas árvores todos os dias, para vender e ajudar quem estava construindo na cidade onde morava.

Um jovem, com apenas 20 anos,muito musculoso, alto e forte,disse, determinado: vou aprender tudo com este velho e vou tomar o lugar dele, eu vou cortar estas árvores, vender e ficar rico em pouco tempo, já que, sendo jovem, vou cortar o dobro do que ele corta.

Sendo assim procurou o velho lenhador e, se fingindo humilde, pediu para o velho lhe ensinar a arte de cortar árvores com o machado. Durante duas semanas o jovem ficou com o velho,aprendendo tudo o que podia, tal como escolher as melhores, a maneira correta de cortar, escolher o lado certo para derrubar as imensas árvores e como tirar os galhos para um melhor aproveitamento.Decidiu que, já com duas semanas de muito trabalho e dedicação, tinha aprendido tudo e lançou um desafio ao velho lenhador.

Vamos marcar um dia, na aldeia, paraver quem corta mais árvores ok? O ganhador leva tudo o que for cortado. O velho, após pensar um pouco, topou o desafio e marcaram o dia.

Chegou no dia combinado, havia alguns juízes, que iriam acompanhar e contar as árvores cortadas. Estabeleceram algumas regras, o diâmetro e a altura mínima, o tipo de árvore eo perímetro de cada um, com centenas de árvores para os dois lenhadores que iriam se enfrentar neste desafio.

Agora cada um já sabia o que podia ou não fazer, tudo estabelecido se prepararam para iniciar.

Com seus machados em mãos, dado o aviso, iniciaram a competição, que iria durar o dia inteiro,até o final do dia deveriam apenas cortara maior quantidade de árvores selecionadas que conseguissem.

O jovem lenhador saiu cortando tudo, trabalhando duro, suando muito no dia ensolarado.De vez em quando parava para tomar água e, nestes momentos, olhava para o lado onde o velho cortava árvores. E quase todas as vezes que fazia isso constatava que o velho estava sentado,de costas para ele,e podia ver, nitidamente, a fumaça que saia do cigarro do mesmo.

E assim foi, o dia inteiro. O jovem suando muito para vencer a competição, o velho parando de vez em quando para descansar e fumar o seu cigarro.

Terminando o dia, os juízes saíram para conferir o rendimento de cada um, o quanto tinham cortado de árvores e ver se todas estavam de acordo com o que foi estabelecido.

No final o resultado: 84 árvores para o jovem, já considerando a exclusão de 12 que foram cortadas fora do parâmetro estabelecido. Para o velho contaram 136 árvores, todas dentro do padrão.

O jovem não se conformava, pediu revisão de contagem e novamente o mesmo resultado se confirmava.

Incrédulo ele perguntou para o velho: Como é que você conseguiu me superar, com 50 árvores válidas a mais?E completando: eu parei dezenas de vezes durante o dia, para beber água e na maioria das vezes eu te via, de costas, fumando e descansando.

O velho lenhador, com muita calma, pediu para o rapaz senta-se ao seu lado, e disse-lhe:

Todas as vezes que me viu parado, fumando meu cigarrinho, estava, na verdade, afiando o meu machado e fazendo o planejamento de quais árvores eu devia cortar, qual era o melhor lado de cada uma que via a minha frente ou do meu lado. Foi simples assim.

Foi conhecendo minha ferramenta, aprimorando o seu corte, e fazendo um bom planejamento que consegui, sem suar nenhum pouco, te vencer neste desafio.

Você ainda tem muito a aprender, que isso lhe sirva de lição e aprendizado.

Moral da estória:

Além de conhecer muito bem a (s) ferramenta (s) que vai utilizar, faça um bom planejamento que, com certeza,enfrentará melhor seus desafios.(Não conheço o autor).

Conclusão, por Wilson Giglio:

Até hoje aplico isso em tudo o que faço e procuro, sempre que possível, compartilhar este conhecimento com todos ao meu redor.

Na minha modesta opinião creio que todos nós devemos fazer da mesma forma, aprender,acumular o máximo possível de conhecimento, afiar nosso machado, sempre!

Isso serve para cada um de nós, tanto como pessoa física ou pessoa jurídica. Temos que conhecer nossas ferramentas, o que temos, e o que nos falta para enfrentar todos os desafios.

Agregar controles internos e gerenciais, que nos permitam elaborar um planejamento mais adequado, capacitar nossos colaboradores para que tenham mais conhecimento, mais experiência, mais sabedoria. Tudo o que possamos agregar para enfrentar todas as dificuldades impostas pelo mercado, temos que, com sabedoria / experiência / planejamento fazermos diferente, nos colocar a frente, pensar fora da caixinha,“afiar nosso machado”, para que possamos corrigir todos os nossos eventuais erros e atingir nossos objetivos e metas.

Assim me coloco a sua disposição, para, comum pouco de sabedoria / experiência que tenho,nestes 50 anos nesta área,te ajudar a driblar qualquer obstáculo, qualquer pedra no caminho,qualquer problema que tenha em sua empresa e / ou seus colaboradores.

Faça o download gratuito da 2ª.Edição do Ebook: Como melhorar os resultados da sua empresa,opine, de sugestões e aguarde a 3ª.Edição no dia 24/11/2019, imperdível!

Conte comigo, sempre.

ARTIGOS - FESPA BRASIL
Fespa Brasil

Mimaki apoia projeto de impressão 3D no combate ao COVID-19

A Mimaki Brasil, em parceria com a empresa 3D Time, produz máscaras faciais (conhecidas como “face shields”) para serem doadas aos médicos e enfermeiros que trabalham na linha de frente no combate ao novo coronavírus, COVID-19. No atual contexto da pandemia, as impressoras 3D estão sendo largamente utilizadas na confecção de alguns dos EPIs (equipamentos

LEIA MAIS »
WILSON GIGLIO
WILSON GIGLIO

Sugestão: Não espere estar morrendo para pedir ajuda!

Quando iniciei as consultorias para as empresas de comunicação visual, em 2010, embora já exerça a atividade desde 1990, a maioria das empresas que me contratavam estavam com uma situação financeira razoável, o maior problema era a falta de organização, processos, problemas de retrabalho, alta rotatividade de pessoal, não sabiam se estavam tendo lucro nos

LEIA MAIS »
ARTIGOS - GRANDES FORMATOS
Grandes Formatos

Liderando em tempos de crise

Tenho conversado com muitas pessoas e lido bastante sobre o momento que estamos passando. Um momento sem precedentes. Tentei buscar informações sobre outros eventos como esse no passado e não achei nada nem parecido. Isolamento social em nossas casas, empresas e comércio fechados e uma incerteza gigante sobre nosso futuro. Alguns líderes com quem falei

LEIA MAIS »

Liderando em tempos de crise

Tenho conversado com muitas pessoas e lido bastante sobre o momento que estamos passando. Um momento sem precedentes. Tentei buscar informações sobre outros eventos como

LEIA MAIS »
Rolar para cima

COMUNICAÇÃO VISUAL NO BRASIL

COMO MEHORAR OS RESULTADOS DA SUA EMPRESA 3ª EDIÇÃO